top of page

Jeff Chapin Interview

Written and translated by Benedita Pereira and Javier Rodrigues

Interview conducted by Benedita Pereira, Helena Santos, Francisca Pedruco and Tomas Correia

This is our first digital-only interview: "Jeff Chapin: Lifelong military officer talks to Coffee Time News about his life and career dedicated to military service." Make sure to check it out.

A picture of Jeff Chapin at his prime
A picture of Jeff Chapin nowadays

Tomás:  Did you know men who went into the military for the following reasons?  Also are these good reasons to join the military?

A.  To serve their country and community.

B.  Wanted a career

C.  Wanted an education

D.  Was part of a family tradition

 

Jeff:  All of those are good reasons.  All are appropriate and they do apply to many people.  Studies that have been done for the last decade by the US Navy called the Youth Attitude Surveys tells us that most men join the military because they're looking for a job… a better job than what they're being offered elsewhere.  They state that they're patriotic and if they're needed, they will come, but they don't join to be a patriot or patriotic.  They join for a better job.  Travel, medical, all the benefits that come with it.  Women, however, still their # 1 reason for joining the military is they still view it as an advancement… but all the other reasons do apply.  They're just not the primary.  The primary for men is they're looking for a better job and education and benefits come in second.  For women, it's social advancement.

 

Tomás:  Você conheceu algum homem que foi para o exército pelas razões a seguir enumeradas? Estes também são bons motivos para se juntar ao exército?

  • Para servir o seu país e comunidade.

  • Queria uma carreira.

  • Queria uma educação.

  • Era parte de uma tradição de família

 

Jeff:  Essas todas são boas razões. Todas são apropriadas e são aplicadas a muitas pessoas. Estudos que têm sido feitos na última década pela marinha americana chamada «Youth Attitude Surveys» dizem-nos que a maioria dos homens juntam-se ao exército porque estão à procura de emprego… um emprego melhor que ofereceram noutro lugar. Eles afirmam que são patrióticos e que se eles forem necessários eles vêm, mas eles não vieram para serem patriotas ou patrióticos. Eles vieram por um trabalho melhor. Viagens, médicos, todos os benefícios que vêm com isso. Contudo, as mulheres continuam a ter como primeira razão para se juntar ao exército elas visualizarem isso como um avanço…, mas todas as outras razões são aplicadas. Elas só não são as principais. A principal para os homens é eles estarem à procura de um emprego melhor e a educação e os benefícios vêm em segundo. Para as mulheres, é o avanço social.

Tomas:  What do you remember from boot camp?  Is there any one memorable story which you'd like to share?

 

Jeff:  Boot camp is interesting because what you do in our experience… you take people from all parts of the country and you cause them to come together.  You put them under pressure where working together is necessary in order to successfully complete the training.   What you're doing is causing people from different parts of the country being forced to put their own personal things aside for this effort called basic training.  What basic training actually gives people are basic skills that will be necessary during the conduct of their service: basic first aid, basic cleanliness, basic survival, living in rural or outdoor environments.  The training that you receive in basic training allowed me to go live in the wintertime in the forest of Germany for 275 days: living in the snow, in the winter, in the summer.  It helps bring the members of society together under pressure to perform as a team.  They learn that they have to work together and put your feelings to the side.  The only memorable experience I can think of is after a four-day hike in basic training, where you spend four days in the forest out in the middle of the night where you're crossing an area and the commander came out of the woods… called me by my name in the middle of the night in the dark… I couldn't see him, yet he knew it was me and gave me some instructions for the group and then took off.  I never saw him the entire two months I was there.  I was impressed.  He knew that I was there among two hundred people in the middle of the night after three or four days of tromping through the woods.  It displayed for me the goal of basic training which is to form this team. 

 

Tomás:  Do que você se lembra do campo de treino? Há alguma história memorável que você gostaria de partilhar?

Jeff:  O campo de treino é interessante pelo o que tu fazes nessa experiência… tu trazes pessoas de todas as partes do país e fazes com que elas se juntem ao exército. Tu põe-los sobre pressão onde trabalhar juntos é necessário para tu completares o treino com sucesso. O que tu estás a fazer é, por pessoas de diferentes partes do país há serem forçadas a pôr os seus assuntos pessoais de lado para este esforço chamado treino básico. Na verdade, o que o treino básico dá às pessoas são habilidades básicas que vão ser necessárias durante a conduta dos seus serviços: primeiros socorros básicos, limpeza básica, sobrevivência básica, viver em ambientes rurais ou ao ar livre. O treino básico que se recebi permitiu-me ir viver, no tempo de inverno, para a floresta da Alemanha durante 275 dias; vivi na neve, no inverno, no verão. Isto ajuda a unir os membros do exército, sob pressão, para que o desempenho seja como o de uma equipa. Eles aprendem que têm de trabalhar juntos e que têm de pôr os sentimentos de lado. A única experiência memorável de que eu me consigo lembrar é depois de quatro dias escondido no treino básico, onde tu passas quatro dias na floresta, no meio da noite, onde eu estava a atravessar uma área e o comandante sai do meio do bosque… chama-me pelo meu nome no meio da noite, no escuro… eu não o conseguia ver, ainda assim ele sabia que era eu e deu-me algumas instruções para o grupo e depois foi-se embora. Eu nunca o tinha visto durante os dois meses que eu lá estive. Eu estava impressionado. Ele sabia que eu estava lá, no meio de duzentas pessoas, no meio da noite, depois de andar três ou quatro dias no meio do bosque. Isto mostrou-me o objetivo do treino básico, que é formar aquela equipa.

Tomas:  I have read that only a small fraction of Vietnam Veterans actually saw combat.  Is that true?

 

Jeff:  It depends on what you mean by a small fraction, because as an example...the kinds of experience people can have are as diverse as your imagination.  I sat with a dying veteran who was the only man I have ever met that dropped an atom bomb in a ditch and then he had to go back and pick it up and take care of it.  That's not combat but to me it's so diverse and that pressing of a fear button.  Most people are not called upon to hurt other people, so that in and of itself is true.  You can research this and you'll find the answer is generally yes but not exactly yes.  In a twenty-year career, you can get deployed multiple times, so if you're talking about Afghanistan and Iraq, the formula is generally about 25% of people who are in country will actually fire their weapon or even engage the enemy and about 75% are there to support everybody else.  It takes a great deal of back up.  It'd be like one police officer coming across a crime, but then he needs five people to come back him up.  You have to understand that because a soldier didn't participate in the combat where he's at -- half the time you don't even know you're being shot at.

 

Tomás: Eu li que apenas uma pequena parte dos veteranos vietnamitas é que na verdade viram combate. Isso é verdade?

Jeff: Depende com o que tu queres dizer com «uma pequena fração», porque por exemplo… os tipos de experiências que as pessoas podem ter são tão diversas quanto a tua imaginação. Eu sentei-me com um veterano morto que foi o único homem, que conheci, que lançou uma bomba atômica para uma vala e então ele teve de voltar lá, apanhá-la e cuidar daquilo. Isso não é combate, mas para mim é tão diverso e é como apertar um botão de medo. A maioria das pessoas não são recrutadas para magoar outras pessoas, de modo que por si só seja verdade. Tu podes pesquisar isso e descobrirás que a resposta geralmente é sim, mas não exatamente sim. Em uma carreira de vinte anos, tu podes ser recrutado várias vezes, então se tu estás a falar sobre o Afeganistão e o Iraque, a fórmula é geralmente de cerca de 25% das pessoas que estão no país irão realmente disparar com as suas armas ou até mesmo enfrentar o inimigo, e os restantes 75% estão lá para apoiar todos os outros. É preciso muito suporte. Seria como se um polícia estivesse a desvendar um crime, mas ele precisa de cinco pessoas para o ajudar. Tu tens de entender isso, o porquê de um soldado não participar na guerra onde está – na metade das vezes tu nem sabes que estás a levar com um tiro.

Benedita:  Were there psychological evaluations done at boot camp?  Were some men not sent to war because they were considered mentally or emotionally incapable of dealing with war?

 

Jeff:  I didn't witness anything like that in basic training.  The way we do it, we give multiple tests to people who were applying to come in the military and general psychological and emotional screening is done at that time.  I know it's a common perception that during the Vietnam Era that there were people who were drafted and got through boot camp and their mental or emotional problems didn't surface under the stress of basic training.  It's not so prevalent today because we don't draft everybody.  We only allow people who can pass the test to ever get to basic training. 

 

Benedita: Eram feitas avaliações psicológicas no campo de treino? Alguns homens não foram enviados para a guerra porque foram considerados mentalmente ou emocionalmente incapazes de lidar com a guerra?

Jeff: Não presenciei nada parecido no treino básico. Da maneira como fazemos, nós aplicamos vários testes às pessoas que se inscrevem para o serviço militar, e a triagem psicológica e emocional é feita naquele momento. Sei que é uma perceção comum que, durante a Era do Vietnã, havia pessoas que eram recrutadas e que passavam pelo campo de treino, e os seus problemas mentais ou emocionais não vinha ao de cima sob o estresse do treino básico. Não é tão comum hoje porque não recrutam toda a gente. Nós apenas permitimos que pessoas que podem passar no teste cheguem ao treino básico.

Benedita:  Over the years, how has the image of the Vietnam Vet changed?  In the movies, it is clear that the American public didn't honor them immediately after the war.  How has the public attitude changed over the years?

 

Jeff:  I'll give you a statistic.  In the Second World War ...... America was laissez-faire (minimum interference by government) during the First World War and leading up to the Second World War America got out and became a global nation, so it took an effort and today we look back at the Second World War Veteran and we say they were heroic.  Well, that's true, but at the same time America went through a Korean War, which was a United Nations War then it went into the Vietnam War and there are more steps than that, but in the Vietnam War they went back to the draft and bringing all the different people together but average people were drafted at a higher rate than people of means so there's a different attitude there of the kind of people you're bringing into the service.  The statistic I wanted to give you was in the Second World War the average draftee was twenty-six years old... not a teenager.  The age of the Vietnam Veteran draftee was nineteen, so Vietnam draftees were much younger and less mature.  However the statistics and studies done on the Second World War: the first time Americans were in a truly global war.  In the First World War, the States came in late and we did almost nothing.  In the Second World War, when Americans were deployed to Europe and they had first contact with the enemy -- they ran away, threw their weapon down, they got scared and it was very disappointing.  It is easy to understand, but when you look back, they were courageous to do it but most of them didn't do it right the first time.  The Vietnam veteran ... .93% of drafted soldiers on their first contact stood and fought and they fought without hesitation.  They have a bad image at times but they're more honorable in truth than our ancestors.  They were more willing to act as patriots in Vietnam than they were in the Second World War.  In the Second World War, we felt it was Europe's war or Japan's war... it wasn't our war to the average person.  We weren't so willing or eager to go off and do that.  With Vietnam, most were drafted and didn't ask to join and even though they were drafted they still, over 93%, went and fought and did exactly what was expected.  So the image is bad I think, because I think the American press doesn't cover the truth.  Instead of trying to find the truth, they're trying to find an impression that they can sell newspapers with.  Much of what we see in modern culture and modern history is marketing.  It's not fact.  As a student you do wonderful things and you study very hard and you give everything to what you're doing and most of the people in your life don't really recognize all the work you do.  That's the same thing with the veterans.

 

 

Benedita:   Ao longo dos anos, como mudou a imagem dos veteranos do Vietnã?

Nos filmes, é claro que o povo americano não os honrou imediatamente depois da guerra. Como é que a atitude do povo mudou passado estes anos?

 

Jeff:   Eu vou-te dar uma estatística.  A América era laissez faire durante a I Guerra Mundial, até à II ítrás para os veteranos da II Guerra Mundial nós dizemos que eles eram heroicos.  Bem, isso é verdade, mas ao mesmo tempo a América esteve na Guerra da Coreia, que era uma guerra das Nações Unidas, depois entrou a Guerra do Vietnã e existe mais passos do que estes, mas na Guerra do Vietnã o governo americano voltou ao recrutamento e trouxe pessoas diferentes juntas, mas pessoas normais foram selecionadas para posições mais altas a uma maior frequência do que as pessoas mais ricas, então há uma atitude diferente por parte das pessoas que nos trazemos para o serviço.  A estatística que quero dar-vos é que na Segunda Guerra Mundial a maioria dos selecionados tinham 26 anos … não adolescentes.  A idade do Veterano Vietnamita era 19 anos, então recrutados do Vietnam eram muito mais novos e menos maduros.  Contudo, as estatísticas e estudos feitos sobre a Segunda Guerra Munida: a primeira vez que os americanos estiveram verdadeiramente numa Guerra Mundial.  Na Primeira Guerra Mundial, os EUA vieram tarde de mais e nos não fizermos quase nada.  Na Segunda Guerra Mundial, quando os americanos foram postos na Europa e eles tiveram o primeiro contacto com o inimigo – eles fugiram, largaram as suas armas, ficaram assustados e isso foi frustrante.  É fácil de perceber, quando olhamos para trás, eles foram corajosos ao fazê-lo, mas a maioria não o fez bem na primeira vez… 93% dos soldados escolhidos pelo Vietnam, no seu primeiro contacto com o adversário, ficaram e lutaram sem hesitações.  Eles não têm uma boa imagem hoje em dia, apesar eles serem mais determinados do que os nossos ancestrais.  Eles tiveram mais vontade de agir pela sua pátria no Vietnam do que na Segunda Guerra Mundial.  Na Segunda Guerra Mundial, sentimos que foi a guerra da Europa ou do Japão… não a nossa guerra para a maioria das pessoas.  Nós não estávamos tão determinadas para o fazer.  Com o Vietnam, a maioria dos destacados não pediu para se juntar, se bem que eles foram escolhidos, mas 93% ainda foram e lutaram e fez exatamente o que era esperado.  Então eu penso que a imagem seja má pois a comunicação social americana não cobriu exatamente a verdade, eles tentaram encontrar uma versão que vendesse mais jornais.  Muito do que vemos na história e cultura moderna é marketing.  Não são factos.  Como estudante, tu fazes coisas incríveis e estudas muito e tu fazes tudo o que te pedem e a maioria das pessoas não reconhecem o teu trabalho árduo.  Acontece o mesmo com os veteranos.   

Benedita:  Did you think the Vietnamese understood why the Americans were there and what they were trying to do?

 

Jeff:  Before America went into Vietnam, the French were there.  Are you familiar with that?  The Vietnamese knew very well what was going on because they had been fighting wars for a long time both in the North and the South and they're conscious of it.  Many of them were appreciative, but not all of them, because when you have two opposing sides, they both want to win, so the ones who don't like us wanted us to leave and those who didn't want to lose wanted us to stay.  It's really simple, Vietnam happened as a result of the ignorance of some people and the determination of others to survive and move forward.  In other words, when the French decided to leave, Vietnam became endangered and consequently all of Southeast Asia and because America at that time had treaties with most of the nations... so we had an obligation to help them if they asked us to.  So that's what happened.  At the time, when I went in to the military, did I know what was going on?  Yes, I did.  Did I think it was a righteous and good war?  The is answer is no war is good, but that's not the question.  The question is if I'm willing to participate and fulfill my obligation as a soldier and the answer was yes. 

 

 

Benedita:  Você acha que os vietnamitas compreenderem porque os americanos foram lá e qual era o seu objetivo?

 

 

Jeff:  Antes dos Estados Unidos ir para o Vietnam, os franceses estiveram lá.  Tinhas noção disto?  Os vietnamitas sabiam muito bem o que se estava a passar porque eles lutaram durante muito tempo do norte ao sul e eles tinham conhecimento disto.  Muitos deles foram agradecidos, mas não todos eles, porque quando tu tens dois lados apostos, os dois querem ganhar, então o lado que não gostou de nós, queria que nos saíssemos do pais e os que não queriam perder queriam que nos ficássemos.  É muito simples, Vietnã aconteceu devido a ignorância de algumas pessoas e de determinação de outras para sobreviver e avançar.  Em outras palavras, quando os franceses saíram, o Vietnã tornou-se em perigo e consequentemente todo o sul-este da Asia e porque os Estados Unidos durante este tempo tinham acordos com a maioria das nações… então nos tivemos a obrigação de ajudar Vietnã se eles nos pedissem ajuda. Então, isso foi o que aconteceu.  Na altura, quando eu entrei na tropa, saiba eu o que estava a acontecer?  Sim, eu sabia.  Eu pensei que era uma guerra moralmente correta?  A resposta é que nenhuma guerra é boa, mas essa não é a pergunta.  A questão é se eu tinha vontade de participar e cumprir a minha obrigação como soldado e a resposta foi sim.  

Francisca:  After the war, how did veterans deal with the experience?

Were they offered any support from the government after the war was over?

Jeff:  Every veteran has tons of support if you ask the government.  The government says we give you everything, but you have to understand that many veterans were damaged or psychologically hurt.  You can love them to death and they don't feel it... they question it.  When people go through trauma, they have to be able to live long enough to get past it... get better.  And the government does a good job helping them... but it could be better.  But at the same time everybody was trying to help... why did America as a nation seem to turn their backs on the veterans of Vietnam?  Primarily that's because that's what the press told them to do.  The press told the public that it wasn't a righteous war.  There is no righteous war.   There's an honorable effort from the people who do their job and they did their best. 

When the Second World War ended over four million American soldiers just out of the Pacific theater were discharged before the got back home.  They were on ships in the middle of the ocean and they were told they were no longer in the military and when they got back to the States, they had to find their own way to get home.  If they lived on the East Coast, but they came in on the West Coast, they had to find their own way to get home.  The government wouldn't even send them home.  The was the Second World War.  Today, at least, we do better at that.  So the answer is yes, the government gave them a lot and still give them a lot, but it doesn't always feel like it for the veteran because of what they had to endure ... the hurt doesn't go away just because you get home.  You carry it with you for your whole life.  It often doesn't feel like the people around us really know or really care.  That includes the government.   

 

 

Francisca:  Depois da Guerra, como é que os veteranos lidaram com a experiência?  Foi-lhes oferecido algum apoio por parte do governo depois da guerra acabar? 

 

Jeff:   Cada veterano tem toneladas de apoios se perguntares ao governo. O Governo disse-nos que nos lhe entregamos tudo, mas vocês têm de entender que há muitos veteranos que foram danificados ou psicologicamente feridos. Tu podes amar os mortos e eles não o sentem... eles questionam isso. Quando as pessoas passam por traumas, elas tem de ser capazes de viver o suficiente para ultrapassar-los... ficar melhor. E o governo fez um bom trabalho em dar-lhes essa ajuda... Mas podia ser melhor. Mas ao mesmo tempo toda a gente esteve a tratar de ajudar... porque os Estados Unidos como nação parecia virar as cotas aos veteranos do Vietnam? Primeiramente porque isso foi o que a imprensa lhes disse. Os médios de comunicação disserem ao publico que não foi uma guerra justa. Ali não houve uma guerra justa. Há um esforço honroso das pessoas que fazem o seu trabalho e deram o seu melhor.   Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, mais de quatro milhões de soldados americanos acabados de sair do teatro do Pacífico foram descarregados antes de regressarem a casa.  Estavam em navios no meio do oceano e foi-lhes dito que já não estavam no exército e que quando regressassem aos Estados Unidos tinham de encontrar o seu próprio caminho para regressar a casa.  Se viviam na Costa Leste, mas entraram na Costa Oeste, tiveram de encontrar o seu próprio caminho de regresso a casa.  O governo nem sequer os enviava para casa.  Era a Segunda Guerra Mundial.  Hoje, pelo menos, fazemos melhor nisso.  Portanto, a resposta é sim, o governo deu-lhes muito e ainda lhes dá muito, mas nem sempre é assim para o veterano por causa do que tiveram de suportar... a dor não desaparece só porque se chega a casa.  Carregam-na convosco durante toda a vossa vida.  Muitas vezes não parece que as pessoas à nossa volta realmente saibam ou realmente se preocupem.  Isso inclui o governo.     

Francisca:  You see very few women in Vietnam War movies, but there are some women's names on the Veteran War Memorial... did you know any women who served?

 

Jeff:  That served.  Yes, many.  Women in uniform are just a gift from God.  There's nothing worse than a room full of us men who think they are more important than they really are.  Women enter into the group and then all of the sudden people start to act human again.

 

Francisca:  Você viu muitas poucas mulheres em filmes sobre a Guerra de Vietnam, mas existem nomes de mulheres num Memorial da Guerra do Vietnam … você conheceu algumas mulheres que serviram na guerra?

 

Jeff:  Que serviram.  Sim, muitas.  Mulheres em uniformes justo e uma prenda de Deus.   Não há nada pior do que uma sala cheia de homens que acharam que eles são mais importantes do que realmente são.  Quando mulheres entram o grupo e subitamente pessoas começam a atuar como humanos de novo.  

Francisca: Is there someone who you know and who you lost in the war who you would like to mention?

 

Jeff:  Oddly enough, one of the failings in my life... I've met many people... many I've lost along the way in different ways, but with age I forget who they are.  I remember I had a pilot who had been in Germany... just ... he just crashed and I don't even remember his name now, because at some point you have to put things in the past or they keep hurting you forever and so if there's somebody I'd like to mention... I'd like to mention everyone who went there out of love for their country and didn't come home.

 

Francisca:  Existe alguém que você conhece e que perdeu na guerra e que gostaria de mencionar?

 

Jeff:  Por mais estranho que pareça, uma das quedas na minha vida … eu conhecia muitas pessoas… que perde muitas delas no caminho em diferentes maneiras, mas com a minha idade eu esqueci delas.  Eu recordo que teve um piloto que estive em Alemanha … simplesmente… ele teve um acidente de avião e não me lembro do seu nome agora, porque em algum ponto tu tens que por algumas coisas no passado ou elas continuaram a te ferir para sempre e então se podia mencionar alguém… gostaria de mencionar todos os que foram a lutar para o pais e que não voltaram para casa.  

Francisca:  What happened to the widows and their children?

Was there much assistance given them after they had lost their husbands?

 

Jeff:  Oddly enough, that was something we were terrible at.  Nobody complains about it.  We don't take care of the families as well as we should.  We just don't.  The death benefit is about 250 dollars a month.  It is almost nothing.  What they do is have insurance for you.  Today it is better, but during the Vietnam period it was literally almost nothing.  If the family didn't step up to help the wife and children then they didn't get much help.  They just didn't.  It is terrible.

The American tradition is that we honor the uniform, we don't necessarily honor the person who is wearing it, so because of that the government's intent is whoever is wearing the uniform is acting responsibly and heroically, but as far as all their children and their spouses... that's kind of a personal matter.   They provided them almost nothing.  Very little.

 

 

Francisca:  O que se passou com as viúvas e os seus filhos?

Foi dada alguma assistência depois de os seus maridos morrer?

 

Jeff: Por mais estranho que pareça, isso foi algo em que nós fomos terríveis.  Ninguém fez queixa sobre isto.  Nós não tomamos cuidado das famílias tão bem como nós devíamos.  Nós simplesmente não o fazemos.  O benefício da morte é ao redor de 250 dólares por mês.  É pouco coisa.  O que eles fazem é fornecer seguros para você.  Hoje em dia é melhor, mas durante o tempo de Vietnam foi literalmente quase nada.  Se a família não se responsabilizasse pela mulher e os filhos eles não recebiam muita ajuda.  Eles simplesmente não recebiam. É terrível.  

A tradição americana é que nós honoramos o uniforme, mas não necessariamente a pessoa que o veste, então por causa disso a intenção do governo e que qualquer um que veste o uniforme é automaticamente responsável e heroico, mas isto não inclui as famílias deles… isto e um tipo de assunto pessoal.  Eles dão quase nada.  Muito pouco.

Coffee Time News:  What question do you appreciate the most?  Which one was the most well-thought out?

 

Jeff: They were all good, but a question I appreciated was asking if I wanted to mention anybody that I had lost and I really appreciate that because we don't get to say we're sorry very often.  It's wonderful. 

 

Coffee Time News:  Que pergunta gostou mais?  Qual delas foi a que teve que pensar mais?

Jeff:  Todas elas foram boas, mas a pergunta que eu gostei mais foi a pergunta onde me pediram para mencionar alguém que tenha perdido e eu realmente gostei dela nós não podemos dizer que temos pena com muita frequência.  É incrível. 

Coffee Time News

bottom of page